17 de abril de 2012

Fragmento


A fragmentação do mundo é a sua feiúra. Sua segmentação, o acesso fácil para o mundo da beleza e só ela importa, mesmo que seja a beleza de brincar de ser feliz, a de esperar pelas festas de fim de ano ou pelo ressurgimento do deus da época.

Descubra as cores de seu arco-íris imaginário: preto e branco. Ou cinza, que é a mistura dessas duas. O resto é apenas fantasia.

11 de abril de 2012

Outra forma

.
Não importa o que você revela. É apenas uma forma de ver e interpretar as coisas ao redor. Ou nem isso: é a forma como lhe ensinaram. O que realmente importa é o que você esconde. Aquele tecido guardado na gaveta esperando uma ocasião especial; aquele grito de gol que ficou para outro campeonato; aquele preconceito de achar que a verdade é sempre sua.

Mais ainda: é aquilo que você esconde ao impor o que revela.

2 de abril de 2012

Biscoitos

.
Com um sorriso, me cumprimentou sem jeito. Sentei-me ao lado e ela levou o pacote de biscoitos para perto de mim.

Foi engraçado: ela estendeu o pacote em minha direção, como se fosse normal eu pegar alguns sem pedir. E por esse gesto, percebi o quanto estávamos próximos e à vontade.

Kundera, Chaves, Plebe, URSS, Chateaus: enquanto o pacote se esvaziava, falávamos sobre tudo e mal víamos o tempo correr levando no colo o mau gosto da rotina e os assuntos chatos.