28 de dezembro de 2010

Perigo

.
Um na linha da cal e outro na marca do pênalti. Num ringue, alguém arrisca um cruzado. Numa roda, com a língua, vem o golpe. Um bate e outro apanha. E cada um corre o seu perigo.

23 de dezembro de 2010

Casualidade

.
Sentou-se para esperá-la. Havia mais de uma hora que entrara na loja, não deveria demorar para sair. Fosse em outra época, seria bem mais fácil. Quando criança, quantas vezes não fez uma cartinha para expressar o que sentia! Mas a vida agora é outra, não cairia bem para ninguém escrever coisas assim. E se era patético o que fazia, só ele sabia. No mundo adulto, isso não é problema.

Ela finalmente saiu e foi à praça de alimentação. Ele a seguiu, fazendo o possível para não ser notado. Mais tarde, como se não a tivesse visto, fingiu surpresa ao se esbarrarem.

 Você por aqui?
 Pois é!

Falaram-se por algum tempo, coisas da vida, mas ela se lembrou que precisava ir. Estava com a agenda cheia! Ele compreendeu e a liberou sem pestanejar. Deixou um beijo em seu rosto. Depois, antes de dormir, ficou torcendo para não tardar o dia em que a encontraria, de novo, casualmente.

21 de dezembro de 2010

Fila

.
Ela anda e leva a todos. Essa artimanha da ordem é a representação fidedigna de como e do quanto não há organização ou criticidade. Só parece haver critérios quando se forma uma!

No mundo adulto, pouca coisa faz mais sentido que uma fila indiana. É o ser humano visto pela nuca.

15 de dezembro de 2010

Conteúdo

.
A coca-cola toma o formato de uma garrafa (ou latinha), a não ser quando a despejamos num copo. Poderá ter a medida que quisermos, bastando, para isso, trocar de recipiente.

Com os relacionamentos, em tempos de twitter, orkut, messenger, algo bem parecido acontece: mudam de forma a cada nova ferramenta.

9 de dezembro de 2010

Juras

.
Romantismo líquido é dose. Dizer o amor por Twitter? Juras são tão importantes que deveriam proibir de fazê-las em público, assim como é vetado denegrir um patrimônio histórico. Não se diz essas coisas por mensagem instantânea.

Sou do time que considera o que vem do coração tão íntimo que só pode ser falado a sós e depois de anos. Oras, quem me é importante sabe, mesmo que jamais tenha escrito a respeito em sua página de recados no Orkut.

2 de dezembro de 2010

Relógio

.
Jornais vão para a reciclagem, outdoors são trocados. A cada dez palavras, sete se perdem. Três ficam na memória, mas o ponteiro do relógio avança, e avança tanto que, a certa altura, só resta uma. Um disco risca o céu, mas, ao ser visto, já passou.

Não tem jeito: a informação sempre é muita e o tempo é sempre pouco.