18 de novembro de 2011

Flor

.
Por entre a fumaça e o barulho de escapamentos, ela surge com um sorriso largo, acenando.

– Um instante e já chego!

E São Paulo fica pequena, vazia, florida.

Há coisas na vida que são assim, não tem como esquecer, é contra a nossa força ou a gente se faz de fraquinho porque é bom sentir.

“Dançaremos como dois bailarinos, mesmo em campo minado”, ele pensa, pisando em solo duro, mas flutuando como se estivesse em La Jolla.

8 de novembro de 2011

Grande história

.
Não conseguia aceitar: quer dizer então que tudo aquilo que achava tão certo não era a verdade?

– Mas como?

Porque, afinal, tudo se encaixava tão bem em sua cabeça, e em outras, que não podia acreditar que estava errado.

– Sim, às vezes a gente vê só o que convém.

– Mas são tantos! Não é possível que estejam errados esse tempo todo!

Mal sabia que a história está cheia de equívocos. E, quase sempre, a maioria está no mesmo barco; ficam todos do mesmo lado.

– Mas não é a maior história de todas?

– Oras, também por isso, é o maior dos enganos. Não é à toa que aceitar seja tão difícil.